Fundação e Terra, Isaac Asimov

Fundação e Terra, Isaac Asimov

Felizmente, estou lendo bem mais rápido do que resenhando. Ainda estou terminando de ler Prelúdio à Fundação, e creio que até o final do mês termino Origens sem nenhum problema! Hoje venho atualizar meus registros com breves comentários da minha leitura de Fundação e Terra, segunda publicação após a Trilogia Original de Isaac Asimov e última em questão de enredo e história do livro - prometo explicar isto melhor depois!
Sobre a História:
As dúvidas de Golan Trevize quanto ao bom andamento do plano milenar de Hari Seldon fizeram com que o conselheiro partisse em uma jornada rumo aos limites da Galáxia. Seu destino é o planeta que deu origem a todo o antigo Império, um lugar chamado Terra. Uma missão inglória, visto que todos os registros da existência desse lugar mítico parecem ter sido apagados. Com a ajuda do historiador Janov Pelorat e da intrigante Júbilo, o grupo vaga pelas estrelas tentando solucionar o mistério, que pode elucidar a origem da humanidade e da própria Fundação.

Comentários:
Sem dúvidas, um dos melhores livros da saga. É claro que todos os livros precedentes à Trilogia Original não carregam o mesmo brilhantismo da mesma, mas não deixam de ser muito bons! Gostei bastante de toda a áurea mística que Asimov criou envolvendo a Terra, que tornou-se apenas memória perdida no passado. Lembro de que primeira vez que li os livros, havia gostado bem mais de Limites da Fundação do que deste, mas dessa vez foi ao contrário, gostei bem mais desse. Os personagens exploram planetas - assistiram Interestellar? É bem daquela forma! - e contatam culturas diferentes que se referenciam à Terra sem ao menos saber de onde surgiram essas referências... até claro, os personagens desvendarem todo o mistério. Achei Júbilo uma personagem muito irritante, mas necessária. Com o decorrer da leitura, a postura da personagem mudou bastante e acabou se tornando mais interessante, mas no início, haja paciência pra ler! Confesso que fiquei me perguntando se Asimov projetou a si mesmo na figura de Pelorat, o historiador. De fato, toda a aventura na procura pela Terra e os mistérios estarrecedores encontrados no final, são fantásticos! Foi um livro que li super rápido - cinco dias! E fiquei realmente fascinada. Robôs, planetas à serem explorados e naves gravitacionais são, sem dúvidas, ótimos ingredientes para uma fantástica história de ficção científica. O livro tem 460 páginas e foi publicado originalmente em 1986, quatro anos após Limites da Fundação.

Uma curiosidade: há boatos de que Fundação seria finalmente adaptada para uma série na tv, pela HBO. Será possível? Só me resta pesquisar mais para ver se acho mais informações e torcer muito para que vire realidade!